Saiba tudo sobre cordas

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Saiba tudo sobre cordas

Mensagem por Admin em Qui Mar 26, 2015 9:59 pm

>>> Encordoamento <<<



Freqüentemente instrumentistas se questionam sobre que tipo da corda devem usar em seu instrumento. A escolha da corda é ditada pelo estilo da tocabilidade e as qualidades individuais do instrumento. A melhor maneira para escolher a combinação certa das cordas para um instrumento deve considerar que som que o instrumentista ouve no instrumento, o tipo de cordas atualmente no instrumento, e o som que o instrumentista quer.

Há basicamente três tipos de cordas: cordas inteiramente metálicas, cordas de núcleo sintético e cordas de núcleo de tripa. (cordas de tripa pura são usadas raramente em instrumentos modernos e não são recomendadas). Cordas de tripa pura são geralmente usadas eminstrumentos barrocos, para execução de peças do período.


>>> Instalando as cordas <<<

A maioria dos instrumentistas muda as suas cordas a cada seis meses. Embora a corda possa parecer estar em boas condições, tocá-las por meses excedentes, faz com que percam gradualmente seu brilhantismo e desempenho. Investir em cordas novas de cada seis a oito meses significa que seu instrumento produzirá consistentemente seu mais melhor som.

Quando você necessitar mudar um jogo inteiro das cordas, não remova todas as velhas em uma vez. Você perderá a colocação apropriada do cavalete, e a falta da tensão pode fazer com que a alma caia. Remova somente uma corda de cada vez, mantendo todas as outras até o próximo passo. Aperte a corda o suficiente para não enfraquecê-la. Enfie a corda através do furo na cravelha, e enrole-a uniformemente do centro da cravelha até imediatamente antes da borda da caixa de cravelhas. Se uma corda nova quebrar após a instalação, examine onde a corda quebrou. Seu instrumento pode ter desenvolvido um ponto áspero na cravelha, na pestana, ou nos afinadores. Ou, se o enrolamento da corda for demasiado perto da parede da caixa da cravelha, pode ter sido sujeito a um atrito suficiente para rompe-la.

Lubrificar os sulcos da pestana e no cavalete com um lápis n.º 2 reduzirá a possibilidade da ruptura da corda. Se uma cravelha se mantiver deslizando, fazendo com que a corda saia da afinação, remova a cravelha, tente pôr um pouquinho de giz de escola sobre as partes da cravelha que são brilhantes. Isto criará alguma tração.

Caso a cravelha ainda deslize, não encaixe corretamente, etc – possivelmente necessitará ser substituída. Se uma cravelha estiver demasiadamente apertada, tente passar um pouco de sabão de barra seco ou um composto especial para cravelhas, que está comercialmente disponível. Novamente, se isto for ineficaz, leve o instrumento para ser examinado por um profissional (luthier de confiança). Tenha em consciência que a umidade tem um impacto significativo nas cravelhas.


>>> Encordoamentos de metal ou de aço <<<

Encordoamento de metal, freqüentemente chamado de encordoamento de aço, têm um som simples...direto e bem-focalizado. Sua vantagem está na resposta rápida e no volume do som. A desvantagem é a baixa qualidade de som no que se refere a conseguir variações de tonalidades e nenhuma complexidade real. Músicos de country, folclóricos e os músicos de jazz preferem freqüentemente as cordas de aço por causa de seus volume e som puro, direto.

- Thomastic – Spirocore: Uma corda de com brilhante com algumas nuances. São especialmente populares com violoncelistas que necessitam de muito brilho no som. As para cello G e C de tungstênio são cordas de alta tensão com um grande som. A prata G e C são mais limitadas em seu som. As cordas para contra-baixos de Spirocore são as mais populares com músicos que tocam na maior parte em pizzicato.

- Thomastik – Ropecore: Tom escuro, morno, recomendado pela Zeta para seus violinos elétricos. Podem soar um tanto maçante em alguns instrumentos.

- Pirastro – Chromcor: Uma corda brilhante, excelente para instrumentos baratos de estudante, especial os de tamanho pequeno.

- Pirastro – Permanent: Disponível somente como uma corda de A para a viola e o cello. Uma corda da qualidade elevada com um som morno, especialmente boa quando combinada com as cordas do tripa.

- D'Addario – Helicore: Esta corda tem um som morno, incomum para uma corda de aço. Celistas e os violinistas gostam especialmente das cordas de G e de C. Violinistas que tocam instrumentos elétricos têm utilizado estas cordas. Embora introduzidas recentemente, as cordas orquestra Helicore para contra-baixos estão começando tendo uma boa aceitação. Foram anunciadas recentemente pela D'Addario, cordas adicionais para baixo Helicore. São híbridas, para Pizzicato e Solo. A híbrida é para os músicos que querem uma resposta boa com arco e uma resposta boa com pizzicato. O Pizzicato é para músicos que tocam primeiramente ou unicamente sem o arco. O solo é uma versão da corda orquestra projetada para ser utilizada para trabalhos de solo.

- Jarger: Estas cordas foram populares por muitas décadas, especialmente com celistas que fizeram a Jarger “A” a corda preferida. As cordas de G e de C estão também disponíveis em prata para um som mais brilhante. Jargers tem um som morno quando comparadas com a maioria das outras cordas inteiramente metálicas.

- Larsen: Estas cordas, com preços superiores, foram introduzidas somente há alguns anos e tornaram-se populares com os celistas por causa de seu som puro, desobstruído. O encordoamento Larsen têm um som mais brilhante. Disponível em A, D e G (tungstênio) para o cello e A para a viola.

- Prim: Estas cordas baratas, brilhantes, têm uma aceitação por seu som, que é popular com alguns celistas.

- Supersensitive: O preço baixo e a durabilidade fazem estas cordas populares com muitos sistemas de escola.

>>> Encordoamento Sintético <<<

As cordas de núcleo sintético, feitas geralmente de um tipo de nylon chamado de perlon, têm uma qualidade rica, cheia e uma resposta fácil, rápida. Embora não tão complexas quanto as cordas de núcleo de tripa, as sintéticas dividem parte de muitas das qualidades tonais com as cordas de tripa.

Ainda, as cordas de núcleo sintético não necessitam ser ajustadas tão freqüentemente quanto as de núcleo de tripa, e estabilizam-se após um dia ou dois de esticar no instrumento.

- Thomastic – Dominante: Corda originalmente de núcleo sintético, feita com Perlon. As cordas dominantes são brilhantes e responsivas e são de longe as mais populares. Quando novas, as cordas dominantes têm uma borda metálica, que se desvaneça após alguns dias tocando.

- Pirastro – Tonica: Estas cordas têm muitas qualidades excelentes. Brilhante como as cordas Dominant e Tonica, elas têm um som mais cheio com mais tonalidades e menos limitações. O tempo de adaptação é muito curto e possuem uma vida longa.

- Pirastro – Aricore: Este foi o primeiro encordoamento sintético da Pirastro. O som é morno e maduro como o da Eudoxa. O D, o G e o C são populares com um certo número de celistas que requerem um som mais escuro (fechado – grave).

- Pirastro – Synoxa: Muito similar às cordas Dominant no brilho do som. As cordas G e C em prata para cello trabalham bem com as cordas em aço A e D Jarger e Larsen.

- Corelli – Crystal: Estas cordas são excelentes para instrumentos com um som muito brilhante. Têm um som morno, cheio que pode reduzir os efeitos de muitos instrumentos brilhantes.

- Corelli – Alliance: Estas cordas com preços superiores têm um núcleo de kevlar. Seu som tem mais brilho do que a Corelli Cristal, adicionado a uma riqueza e complexidade próprias. As cordas do Alliance parecem também ter uma vida mais longa do que a maioria das outras cordas sintéticas.

>>> Encordoamento de tripas <<<

As cordas de núcleo de tripa tendem a ter grande riqueza e nuance. Usadas mais freqüentemente por músicos clássicos e barrocos profissionais, uma corda de tripa produz um som morno, cheio de complexidade e rico em tonalidades (ex: bastante usada em “alaúdes” e instrumentos de arco com cordas muito antigos onde seus proprietários desejam manter a originalidade do instrumento).

Existem várias histórias sobre essas cordas (não comprovadas), como por exemplo, que no início fossem feitas de tripas de macacos – embora todos saibam que de fato sejam feitas tripas – o certo é que hoje a maioria esmagadora e feita a partir de ovinos, onde são esticadas e passam por vários tratamentos químicos para poderem ser utilizadas como cordas instrumentais.

As cordas de tripa são, entretanto, fracas aos efeitos do clima, devem esticar no instrumento por quase uma semana e saem de afinação freqüentemente. Também não duram tanto quanto as cordas de metal ou as cordas sintéticas e são mais cara. As cordas de tripa não são usadas geralmente por músicos iniciantes ou intermediários. Sem mencionar as dificuldades de se fazer os sons mais graves soarem bem.

- Pirastro – Olive: Estas cordas superiores têm um som brilhante com tonalidades complexas, ricas e uma resposta relativamente rápida. A Olive E é chapeada em ouro e tem um som raro, puro, claro e brilhante.

- Pirastro – Eudoxa: Um dos encordoamentos mais populares antes da introdução de cordas de núcleo sintético, as Eudoxa têm um som morno, maduro com uma resposta mais lenta do que as Olive ou as cordas sintéticas. Grande em alguns instrumentos mais velhos, podem ser muito maçantes em outros.

- Pirastro – Gold Label: Uma corda de tripa econômica com um som intermediário entre as outras cordas de tripa da Pirastro. Disponível somente em calibres médios. A corda E de violino é popular por seu brilho.

>>> Mais sobre encordoamentos <<<

Atualmente, muitos instrumentistas recomendam que pelo menos as cordas E (MI) para o violino e as cordas A (LA) para a viola clássica e o violoncello seja inteiramente metálicas (aço), as demais poderiam ser de núcleo sintético. De qualquer modo, no violino e na viola as cordas sintéticas são muito mais populares (alguns músicos de música folclórica e country preferem o volume adicionado de todas as cordas de metal).

No violoncello,vemos mais variedade de tipos e marcas de cordas usadas. Enquanto combinações de metal no topo (A&D) e sintéticas na base (G&C) são completamente populares, encontramos alguns cellistas que procuram o brilho e a claridade que são dadas pelo uso das quatro cordas de metal. E para todos os três instrumentos, algumas pessoas amam o som da corda de tripa e estão sempre dispostos a enfrentar seus efeitos colaterais.

>>> Resumo e mais complementos <<<

Núcleo de Aço - Algumas qualidades das cordas com núcleo de aço são: Resposta rápida ao toque do arco, alta elasticidade, poderosa projeção, grande durabilidade, estabilidade na afinação e boa harmonia sonora. As cordas com núcleo de aço possuem um som vivo e brilhante.

Núcleo Sintético - As cordas de núcleo Sintético são projetadas para reproduzir o som morno das cordas de tripa, com as vantagens dos materiais sintéticos que incluem estabilidade e resistência às variações climáticas e também a umidade do ar. As cordas com núcleo sintético possuem grandes volumes sonoros, poderosos, intensos e brilhantes.

Núcleo de Tripa – A Corda de tripa produz os sons mais escuros, mornos, naturais e menos agressivos que as outras. Elas exigem alta pressão de arco, para ter um bom volume de som. As cordas de tripa são sensíveis a variações climáticas e a umidade do ar, não duram tanto quanto as cordas de aço ou sintético (usada muito por instrumentistas que utilizam instrumentos “antigos” – ex: alaúdes).

>>> Qualidade do som <<<

Existe uma gama de terminologia para descrever as diversas qualidades sonoras das cordas: macio, claro, morno, pesado, cheio, etc. Fazendo um paralelo entre os tipos de núcleos com os sons que produzem, as descrições seriam algo semelhante ao que está abaixo.

Algumas descrições de qualidades:

- Som macio, luminoso, doce, leve, rápido = Baixa tensão, ou seja, exige baixa pressão do arco para que o som saia, produz um som mais “luminoso” – rápido de ser executado. Típico das cordas de núcleo de aço ou metálico.
- Som médio, equilibrado = Média tensão, exigindo média pressão do arco, produzem um som equilibrado entre força e qualidade. Típico das cordas de núcleo sintético.
- Som encorpado e forte, porém morno (lento, “devagar” para sair) = Alta tensão, exige forte pressão de arco, produz um som mais forte. Típico das cordas de núcleo de tripa, visto que exige alta pressão do arco (exigem breus específicos).

>>> Revestimentos e composições das cordas <<<

Materiais comuns usados na composição das cordas: Titânio, Aço de carbono, Chromesteel, Prata, Tungstênio e Ouro. Vantagens e qualidades dos materiais.

- Titânio – Tem o peso leve e produz um som morno.
- Aço Carbono - Extremamente durável
- Chromesteel - Resposta fácil e som vivo.
- Tungstênio - Produz grande volume de som.
- Banho de Ouro - Usado principalmente em violino “corda mi" excelente para solistas.

Admin
Admin

Mensagens : 37
Data de inscrição : 07/03/2015

Ver perfil do usuário http://acienciadascordas.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum